Poesia

azul esperado

Foto Patrick loisel

UM AZUL ESPERADO

Mariana T. Loisel , Montreal – 24 de junho de  2013

O calor demora para acontecer.
Junho chega chuvoso e frio.
O verão em Montreal é rápido, tão cedo
Começa, já logo se termina.
O calor atravessa o ano como uma onda inesperada
De alegria, trazidas por notícias do Brasil
Que busca um complexo bem comum.
Os terraços ficam repletos de turistas.
O jazz ressoa na noite morna,
Os festivais são muitos.
Nossas janelas se abrem enfim para o azul
Infinito das possibilidades.
Você olha para o azul do céu:
“Não há portas. Ou elas estão abertas desde sempre
Neste azul ouço por vezes um riso. O mesmo riso das flores.
Impossível de ouvi-lo, sem compartilhá-lo.”

(*) BOBIN Christian in L’homme-joie, p.180, Edition L’iconoclaste, Paris, 2012.

A CONSTÂNCIA AZUL

Mariana T. Loisel , Montreal – 5 septembre 2013, 16:55

Você se renova a cada dia,
Setembro traz o outono consigo,
e varre o verão de um golpe de vento.
Você está a caminho desde sempre.
O desconhecido te aguarda a cada esquina,
e as surpresas te rogam de improvisar diáriamente.
O que nos dá alento para continuar,
O que nos une, em meio as crises surdas
e a tristeza que nos cerca,
senão um invisível afeto?
A obra em azul, emotiva, secreta,
vive e respira noutro lugar.
Constante e impalpável como o amanhecer,
ela vai no teu compasso.

Bonsai - foto Erkan Torum

Bonsai – Foto de Erkan Torum

SÉRIE PRIMAVERA

Mariana T. Loisel , Montreal – setembro de  2013

INOVAR I

A cidade se cobriu de flores,
Em quinze dias.
O verde coloriu tudo,
O desabrochar foi rápido:
A primavera chegou de repente,
Como um novo ponto de partida.

A vida nos oferece
De uma estação a outra,
O espaço para inovar.

INOVAR II

Quantos invernos atravessar
Para chegar ao novo?
Quantas provas, quantas perdas,
Quantos caminhos que não levam a parte alguma,
Más quanta esperança também?

Quanta alegria, esperando calada,
Que a gente se permita enfim,
A primavera?

quadro azul

Oeuvre au Bleu I – huile sur toile Mariana Thieriot / 2013

NOTÍCIAS DE MIM

O café quente na mesa, o amanhecer do dia,
Uma luz alegre varre a casa silenciosa e tranquila.
Penso em todas as manhãs do mundo
Vividas aqui e ali, com mais ou menos entusiasmo.
Ouço a música que pontua a vida,
seu ritmo noturno e diurno,
que nos abre infindas possibilidades a cada manhã,
a abertura da escolha,
o prazer de inovar.

AS PALAVRAS FLUTANTES

A palavra faz o destino,
os conflitos que com ela atravessamos
e compreendemos,
o bem que com ela circula,
a experiência da escuta que a guia:

toda verdadeira escuta retém o dizer”(1)
Assim a palavra poética nasce de tua escuta
flutuante, presente, atenta, ao que vem de você,
ao que vem do outro, e do mundo.

INOVAR IV

Todo pensamento que desenvolve o sentido
é poesia, mas toda poesia é pensamento,
ambos se entre-pertencem (…)”(2)
A palavra nos humaniza : ela interliga
a vida interior ao mundo exterior,
a solidão a amizade,
o conflito e a inovação,
Ela nasce de tua escuta e se abre ao teu silêncio,
É ela que profundamente,
com doçura e gravidez,
nos conduz a inovar.

O BRILHO NO OLHAR
 
A  palavra poética expressa “o brilho de seu olhar,
cuja clareza atinge o coração do que é”.

Tua ausência: tua presença como outro(a)
composta de distância ou de proximidade inesperada,
se desvelam no poema,
que no desenrolar das palavras,
nos (3) reúne.


(1)HEIDEGGER, ibidem p.36
(2) HEIDEGGER ibidem p.36
(3) HEIDEGGER  ibidem p.253

2 respostas em “Poesia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s